quarta-feira, 17 de março de 2021

Opiniões do Couto #5 | A invencibilidade de Mansoor

Boas malta! Sejam bem-vindos a mais um “Opiniões do Couto” aqui no Wrestling Notícias!

No artigo desta semana decidi escrever sobre a invencibilidade de Mansoor, um assunto que pode passar despercebido àqueles que estão menos atentos a toda a programação da WWE, até porque o wrestler saudita tem lutado essencialmente no 205 Live e no Main Event.

Em primeiro lugar, começo por dizer, para aqueles que não o conhecem, que Mansoor é um wrestler natural da Arábia Saudita, com 25 anos, que assinou pela WWE em 2018 e que, curiosamente, já derrotou Cesaro e Dolph Ziggler em PPVs da empresa.

A estreia de Mansoor nos ringues da WWE foi em setembro de 2018, com uma derrota para Luke Menzies, agora conhecido como Ridge Holland, num House Show do NXT. Alguns meses mais tarde veio a estreia do saudita em televisão, com uma derrota para Jaxson Ryker em janeiro de 2019, no NXT.

E a verdade é que, depois de apenas mais 3 aparições em televisão, com derrotas para Travis Banks e Dominik Dijakovic e uma vitória sobre Sean Maluta, em junho de 2019 Mansoor foi o surpreendente vencedor de uma 50-Man Battle Royal no Super ShowDown, um PPV realizado na Arábia Saudita. E para termos uma noção da importância desta vitória, importa referir que a battle royal incluiu alguns dos maiores nomes da WWE, como Cesaro, Jinder Mahal, Matt Hardy, Ricochet, Samoa Joe, Shinsuke Nakamura ou The Miz.

E é a partir daqui que começamos a perceber alguma incongruência em relação ao booking da WWE para com Mansoor. Então, o saudita derrota 49 outros wreslters numa battle royal em PPV, e o que lhe acontece a seguir? Volta a lutar em House Shows do NXT, perdendo 10 dos 12 combates em que participou, voltando a aparecer em televisão apenas em agosto, numa derrota em 3 minutos para Damien Priest.

Até aqui nada de muito grave, até porque a vitória de Mansoor naquela battle royal poderia ter sido apenas um caso isolado, voltando depois o wrestler a um booking normal. Mas não. Sabem o que aconteceu ao saudita depois da rápida derrota frente a Damien Priest? Excluindo participações em House Shows, apenas voltou a lutar em outubro de 2019, derrotando Cesaro no Crown Jewel daquele ano, mais um PPV na Arábia Saudita. Sim, o Mansoor derrotou o Cesaro!

E o que aconteceu ao saudita depois de derrotar Cesaro? Passou a lutar no 205 Live e voltou aos House Shows do NXT. Ou seja, mais uma incongruência. Realisticamente, como é possível alguém vencer uma battle royal com 49 outros wrestlers e derrotar o Cesaro num combate de singles e continuar sem grande destaque na programação semanal da WWE?

Importa referir que, entretanto, já se tinha iniciado a série de invencibilidade de Mansoor. Depois de uma derrota numa 15 Man Battle Roya,l num House Show do NXT, a 24 de agosto de 2019, o saudita nunca mais voltaria a perder um combate.

Mas voltemos então ao percurso de Mansoor. Considerando apenas combates televisionados pela WWE, depois da vitória contra Cesaro, o saudita participou apenas em mais dois combates, somando uma vitória contra The Brian Kendrick no 205 Live e outra frente a Shane Thorne no NXT. Isto até termos Mansoor de volta a outro PPV.

Em fevereiro de 2020, a WWE realizou mais um Super ShowDown na Arábita Saudita. E, portanto, quem tinha que estar de volta ao seu país de origem? Mansoor, obviamente. Desta vez para um combate contra Dolph Ziggler. Dolph Ziggler esse, que, tal como fez com Cesaro, Mansoor conseguiu derrotar. Olhando para isto como legitimo, tínhamos aqui um prodígio. Um wrestler da Arábia Saudita que quase ninguém conhece e de que quase ninguém houve falar, mas que já venceu uma battle royal com 50 lutadores e já derrotou Cesaro e Dolph Ziggler em combates individuais. No mínimo este lutador merecia participar regularmente no Raw ou SmackDown. Mas o que aconteceu ao saudita? Passou a lutar regularmente no 205 Live, isto já depois do aparecimento da pandemia.

E foi no programa dos cruiserweights que Mansoor continuou a brilhar. Continuou a somar vitória atrás de vitória e, desde o mês de fevereiro até tem participado no Main Event, somando duas vitórias contra Drew Gulak e outra, juntamente com Ricochet, contra a dupla de Drew Gulak e Akira Tozawa.

Neste momento, Mansoor tem uma série invicta de 43 combates. É isso mesmo, nos últimos 43 combates de Mansoor, o saudita venceu 43 e não perdeu um único. E volto a mencionar, nestas 43 vitórias de Mansoor, incluem-se aquelas frente a Cesaro e Dolph Ziggler.

Importa referir que não ponho em causa o talento de Mansoor, até porque a verdade é que é bastante. Principalmente tendo em conta que o wrestler tem apenas 25 anos e tem ainda uma grande margem de progressão. O saudita ainda não é nenhuma superestrela, mas é bastante bom em ringue e também com o microfone na mão.

Mas o que quero analisar aqui, acima de tudo, é que sabemos que as vitórias de Mansoor nos 3 PPVs na Arábia Saudita apenas acontecem porque Mansoor estava a lutar no seu país e a WWE queria dar aquela alegria aos adeptos locais e até, mais importante que isso, aos investidores daquele país. Para além disso, acredito também que a tal série de 43 vitórias consecutivas de Mansoor está relacionada com as mesmas razões. A WWE quer criar uma estrela natural da Arábia Saudita e apostar nela, porque sabe que isso lhe pode trazer muito lucro, principalmente se tivermos em conta que aquele país tem feito grandes investimentos para receber eventos da empresa.

Mas tendo em conta que esta série invicta de Mansoor começa a ficar cada vez mais evidente, e até começou já a ser referida no 205 Live, questiono-me até onde irá ser levada. Será que vamos continuar a ter Mansoor a vencer combate atrás de combate, mas sem que isso lhe continue a trazer grandes consequências ao nível de títulos ou destaque? Será que veremos Mansoor a sagrar-se campeão cruiserweight? Será que Mansoor terá uma oportunidade por esse título e será o campeão na altura a quebrar a streak? Será que vamos ver Mansoor a aparecer no NXT ou mesmo a ser chamado ao “main roster”? Se isso acontecer, vão ignorar a sua série invicta ou vão dar destaque a isso? Se derem esse destaque, vamos ver Mansoor já com 50, 60, ou quem sabe mesmo 100 vitórias consecutivas? Que sentido fará dar destaque a um lutador apenas quando ele já tem tantas vitórias consecutivas?

Penso que estas são todas questões legítimas de ser colocadas e, sinceramente, não sei qual é a resposta para elas. Mas, uma vez que Mansoor já superou praticamente todos os wrestlers do 205 Live, não deverá demorar muito tempo até que o saudita tenha destaque num dos 3 principais programas da WWE. A partir daí, mantendo a sua invencibilidade ou não, acredito que é inevitável que tenha algum destaque, até porque, como referi anteriormente, estamos a falar de um wrestler talentoso e ainda bastante jovem.


E tu, o que achas do destaque que tem sido dado a Mansoor nos últimos anos e qual pensas que será o futuro do lutador saudita?


Publicar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

3 comentário(s):

- disse...

quem é este?

Alex Lucas disse...

Mansoor é um wrestler saudita contratado pela WWE em 2018, depois de um tryout realizado em Jeddah (por altura do Greatest Royal Rumble). Lutou uma vez no NXT como jobber, e derrotou Cesaro no Crown Jewel de 2019 e Dolph Ziggler na edição do ano passado, antes de começar a ter esta "streak".

- disse...

"derrotou Cesaro no Crown Jewel de 2019 e Dolph Ziggler na edição do ano passado, antes de começar a ter esta "streak".

Não...nunca.


Agradeço o esclarecimento.