sábado, 13 de março de 2021

Lucas Headquarters #28 – Christian: Out of the Cage, Into the Light

 


Ora então boas tardes, comadres e compadres! Como estão? Bem-vindos sejam a mais uma edição do “Lucas Headquarters”, aqui no WrestlingNotícias!

E que grande edição do Revolution que a AEW organizou no Domingo! (literalmente, aquilo foram para aí umas quatro horas, se tanto…), mas para além de ter sido grande em duração, foi também muito variado no que diz respeito ao que lá aconteceu, porque aquilo houve coisas para todos os gostos: Bons combates, acidentes com pirotecnia (num combate que, com tantos explosivos à mistura, tinha tudo para correr mal e não correu, felizmente), a grande revelação que Paul Wight havia prometido…

Quê? Vocês também estavam com a fézada toda que ia ser o Christian a assinar pela AEW, querem ver? Olhem que aqui o vosso Tio Alex já vos conhece de ginjeira, e consigo ver pelas vossas possíveis reações no momento que muitos de vocês esperavam que o Tony Khan ainda sacasse da cartola algum CM Punk, admitam lá?


Mas já que estamos prestes a começar a desconfinar (outra vez), esta semana quero falar-vos precisamente do gajo que, também ele, andou sete anos confinado num “posso lutar? Não posso lutar?” mas que poderá ter nesta sua estadia na AEW tempo suficiente para desenferrujar as pernas após sete anos sem entrar em ringue: Christian, que voltou assim aos seus tempos da antiga TNA e passou a chamar-se Christian Cage.

E, como aqui nos meus Headquarters uma das minhas premissas é ser honesto com vocês, desta vez não vou fugir com o rabo à seringa: Mesmo com 47 anos, mesmo que levasse três milénios a entrar no WWE Hall of Fame, e mesmo que o seu regresso aos ringues na WWE só se resumisse a um spotzinho com o Edge em contornos de comédia romântica, eu nunca pensei que o Christian saísse do átrio materno e deixasse a empresa. 



E não queiram achar aqui uma contradição na edição desta semana: Por breves momentos, quando vi que havia um “talento com calibre de Hall of Fame” para ser revelado no Revolution, passou-me a hipótese de esse talento se tratar de Christian. 

Mas depois quando havia um Kurt Angle que acabaria, também ele, por lançar um teaser de regresso aos ringues e quando havia, por exemplo, um Brock Lesnar que, para já, não dava sinais de querer voltar à WWE (e bem sabemos nós que se a AEW lhe oferecesse um cheque prenda chorudo, era ele bem capaz de dar de frosques para lá), ninguém diria que seria Christian o escolhido.

No entanto, quer-me a mim parecer que Tony Khan se inspirou aqui na grande história de redenção que a WWE e Edge acabaram por contar: Ambos os wrestlers têm 47 anos e aparentam estar numa forma como há muito tempo não os víamos. 

Contudo, acho que se pode colocar aqui a mesma dúvida com Christian que colocamos inicialmente com Edge (se bem que ele, depois, nos provou o contrário): Será que, aos 47 anos, o Instant Classic estará em condições físicas que lhe permitam dar boas performances nos ringues da All Elite? Pelo menos ele diz que sim, mas isto nunca fiando…

Vendo o lado menos duvidoso das coisas, Christian Cage chega aqui com um leque de oportunidades, entre possíveis combates de sonho (por exemplo, um confronto com Sting ou mais um showdown entre Christian e Chris Jericho, ou um duelo de titãs entre Christian e Kenny Omega, é só escolher) e talentos que poderá elevar (Sammy Guevara, Darby Allin, MJF, Adam Page, just to name a few).

Em suma, e para encerrar o artigo desta semana, a questão que falta colocar: Se a saída de Christian magoou um pouco a WWE? Acredito que sim, porque acho que tal como eu, nem Vince McMahon acreditava que Christian seria capaz de pensar para além disso.

Mas props para ele porque o fez, porque como o mundo do wrestling está neste momento, seria muito fácil para ele ficar na zona de conforto. Arriscou e aventurou-se em terrenos que provavelmente não o deixarão muito bem visto entre os responsáveis da empresa, mas também vos digo que se ele tivesse ficado na WWE, não sairia da sombra de Edge e provavelmente estaria reduzido a spots lado a lado com ele, como vimos no Royal Rumble.


E vocês, o que esperam desta aventura de Christian Cage na All Elite Wrestling? Acham que fez bem em sair da WWE e experimentar outras paragens?

E assim termina mais uma edição dos "Lucas Headquarters"! Não se esqueçam de fazer o que sempre fazem: Passar pela página do WN, deixar opiniões nessa caixinha mágica que têm aí em baixo, sugerir temas... Para a semana, como sempre, cá vos espero para mais uma edição!

Peace and love, and... you think you know me?









Publicar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

0 comentário(s):